Classificação geral após 14ª rodada.

Após a 14ª rodada (GP Motorland Aragon), segue a classificação geral de pilotos, equipes e construtores.

Aprilia: tem nove motores por piloto por temporada. Aleix Espargaró e Scott Redding estão no 7º motor. Ambos os pilotos tiveram três motores retirados da alocação. Existe uma razão válida para isso: a Aprilia é a única fábrica que, por razões de custo, revisa os motores usados ​​e, em seguida, reinstala exatamente como as equipes cliente fazem.

Ducati: Andrea Dovizioso conduz com o 5º motor, o 6º é “re-selado”, mas até agora nunca saiu do pit lane. O italiano teve o número 2 removido da alocação. Isso significa que ainda pode ser trocado, se necessário. Jorge Lorenzo usou o 6º motor pela primeira vez no FP3 de Aragón. Ele ainda tem todos os motores em uso. Ducati não faz nenhuma revisão do motor para a equipe de fábrica.

Ducati Aspar: Álvaro Bautista utiliza o 5º motor desde Misano, o mesmo para Karel Abrahan.

Ducati Avintia: 6º motor para Tito Rabat e um 7º já foi selado. Xavier Simeon utiliza o motor número 5.

Ducati Pramac: Danilo Petrucci tem utilizado o motor nº 6 desde Misano. Ele roda com a DesmoGP especificação de 2018 como a equipe fábrica. O companheiro de equipe Jack Miller tem motores e acionamentos de 2017 com o 6º e penúltimo motor.

Honda: Os pilotos fábrica Repsol Honda, a situação está relaxado, Marc Márquez e Dani Pedrosa estão utilizando o 5º motor, para que eles não têm dois motores frescas na reserva. O motor Honda fábrica é baseada em uma vida útil de 1600 a 2000 km.

Honda LCR – Idemitsu: A equipe já retirou dois dos sete motores (# 1 e # 3), porque eles estavam no final do prazo. Mas ainda há muitos novos motores que só experimentaram cinco sessões, os motores retirados tiveram 40 sessões de uso. Por que então o 7º motor já estava selado? “Às vezes você tem que fazer as coisas de maneira diferente do habitual”, disse Christophe “Beefy” Bourguignon, chefe de equipe de Crutchlow. O companheiro de equipa Takaaki Nakagami que conduz uma Honda 2017, selou o 6º motor, porque os motores de cliente podem rodar até 2200 km. Sua equipe retornou dois motores. No caso das equipes do cliente, elas são lacradas e usadas após o término do prazo após uma revisão completa.

Honda Marc VDs: Morbidelli tem o 5º motor em ação, ele já retirou dois. Tom Lüthi está utilizando o 5º motor, dois foram dados para revisão.

KTM: Com a ausência no GP de Spielberg-Áustria, e a chuva que cancelou o Gp de Silverstone, Pol Esparagaró está no 6º motor. Bradley Smith instalou o 7º motor. Revisões não são feitas na KTM. Mas alguns dos motores usados ​​podem não caber no novo chassi.

Yamaha: A Yamaha não tem problemas. Valentino Rossi está desde Misano com o 6º motor nas pistas, mesmo os números 4 e 5 ainda são utilizáveis. Maverick Viñales ainda tem todos os motores em uso, embora alguns possam já estar com a kilometragem bem avançada, próximos de serem retirados. Hj ele utiliza o motor número 6 que foi pra pista no sábado durante o FP3, em Aragón. Maverick Viñales usou o motor número 1 do Qatar no GP de San Marino na sexta-feira.

Yamaha Tech3: Johann Zarco conduz o 6º motor desde Aragón e não preocupa. Ele utilizou o 6º motor em Misano pela primeira vez fora do pit lane promovido. Ele ainda tem todos os motores de 2018 em uso. Hafiz Syahrin é o piloto de MotoGP mais eficiente em termos de combustível no campo. Ele ainda roda com o 4º motor, tem três na reserva.

Para ler o artigo original => http://www.speedweek.com/motogp/news/133206/Cal-Crutchlow-Er-hat-jetzt-keinen-neuen-Motor-mehr.html