“Com Mir, Suzuki pode vencer o mundial”

Kevin Schwantz assinou tantos autógrafos em Montmeló (Barcelona) como se fosse um piloto atual. Ele foi a convite da Fábrica Suzuki, a qual é embaixador.

O campeão das 500cc de 1993 está encantado com a chegada de Joan Mir36, que em 2019 correrá pela equipe oficial Suzuki. “Temos que esperar para vê-lo, mas Joan já demonstrou na Moto3 e Moto2 que ele tem motivação, velocidade e é inteligente. Garoto esperto, é uma boa contratação para a Suzuki, terá dois pilotos jovens, isso dá à Suzuki muitas possibilidades para o futuro, espero que tudo corra bem e que o desenvolvimento da moto seja bom e que a Suzuki possa lutar pelas títulos mundiais, acredito que eles são capazes”.

 

 

EXPERIÊNCIA: Para Schwantz, a pouca experiência para evoluir a GSX-RR não será um problema:

–  “Rins terá muita pressão em 2019, será seu terceiro ano com a moto e ele terá que liderar o desenvolvimento, mas o mais importante será como eles vão trabalhar juntos. Eles são jovens e podem querer lutar para ganhar o máximo que puderem, mas a única maneira de conseguir isso é trabalhando em equipe, assim poderão se aproximar dos líderes do campeonato, com os dados abertos, eles devem falar tranquilamente seus sentimentos sobre a moto, o que gostam e o que não gostam. É fácil para um lado do box perder a direção do outro, por exemplo: – “Uff, este freio assim, eu não gosto, a moto precisa desse outro”.

“Às vezes, os jovens não percebem que o futuro da equipe está em seus ombros “.

 

JLORENZO99 NA HONDA: O texano está ansioso para ver JLorenzo99 na mesma garagem de MMarquez93.

–  “Será interessante vê-lo na Honda, Lorenzo vai e faz o mesmo em todos os lugares: trabalha metodicamente, desenvolve a moto para colocá-la como gosta, estilos completamente diferentes, a Honda vai ter que desenvolver suas motos totalmente opostas, ela tem potencial para isso, vai ser interessante, não vejo a hora de ver eles com a mesma moto, seus tempos e ver, no final da temporada, quem termina adiante”.

Sobre a decisão da Ducati, Kevin prefere não opinar se ela errou em dispensá-lo. “O Jorge mostrou que pode fazer qualquer coisa, já o fez com a Ducati e agora é bastante constante, regular em todos os treinos e corridas”, explica.