Como a KTM irá manter Jorge Martin em seu time em 2021?

No dia da apresentação oficial da KTM e de sua equipe satélite Tech3, agora com uma vestimenta diferente, o novo chassi revelado em Sepang foi o foco maior das atenções. De fato, o novo chassi ficou oval. Eles substituíram a treliça tubular circular por uma grande estrutura em estilo de viga em aço, que ainda é treliça tubular na seção superior, conforme a foto revela.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 20200209_093948-L.jpg

O novo chassi não é tecnicamente oval, mas na verdade uma forma geométrica chamada “estádio”, assim denominado porque é exatamente isso que parece: uma pista de atletismo dentro de um estádio. Basicamente, são dois lados retos unidos por um semicírculo.

No caso da KTM RC16, a forma também se afina em direção ao cabeçote: é mais largo na parte traseira, onde se junta à seção que segura o pivô do braço oscilante, do que no cabeçote. Mas a órtese tubular começa logo atrás da carenagem mais próxima do topo, o que ajuda a fornecer a rigidez necessária.

As alterações foram feitas por vários motivos. Em primeiro lugar, o novo quadro é mais leve que o antigo, o que facilita a viragem. Presumivelmente, isso significa que o quadro contém menos material em geral. Em segundo lugar, como se diz, ajuda a mudar a maneira como o quadro funciona, alterando a rigidez. A moto ainda pode ser rígida na frenagem, na reta, oferecendo um pouco mais de flexibilidade de um lado para o outro. Isso pode ajudar na rotação, e também na aplicação de força na saída da curva.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é i-LcvFf3S-L.jpg

“Dani Pedrosa vale seu peso em ouro para a KTM”

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é i-VdW4HKC-L.jpg

Sem dúvida, grande parte da evolução da nova KTM pode ser atribuída ao talento desenvolvedor de Dani Pedrosa. Mas além de seu genial piloto de teste, preterido pela Honda devido ao seu baixo peso, a KTM está repleta de novos talentos, notadamente Brad Binder e Miguel Oliveira. Binder está se adaptando rapidamente à nova moto, ao MotoGP, e seu estilo deve se adequar muito bem à nova KTM. Ele voou um pouco abaixo do radar durante os testes, mas sabemos que ele tende a demorar um pouco para descobrir as coisas e, de repente, explode em primeiro plano. Ele parece a caminho de fazer isso.

Enquanto isso, seu colega de equipe da KTM, Miguel Oliveira, está extremamente motivado. Oliveira mostrou flashes de crescimento real no ano passado, até que o acidente com Johann Zarco em Silverstone lesionou o seu ombro e a sua temporada. Oliveira tem um ponto a provar – que deveria ter sido ele o escolhido na equipe Red Bull KTM da fábrica. E ele tem a capacidade de mostrar isso este ano.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 84697158_2909449019119396_3766324867029270528_o.jpg

Contudo, uma boa pergunta feita pelo editor Henrique Franco paira no ar: “Como a KTM conseguirá manter Jorge Martin — talento da Moto 2 — em sua equipe, considerando que eles já têm três jovens e bons pilotos?”

Jorge Martin parece o tipo de piloto que eles querem e precisam manter no elenco. Há uma crença generalizada dentro do paddock que Martin já tem um acordo para ir ao MotoGP em 2021, ou pelo menos a promessa de um.

No seu caso, a KTM pode, no entanto, exercitar várias opções. A primeira, e menos provável, é convencer Jorge Martin a permanecer na Moto2 por mais uma temporada. Isso será mais fácil se ele não se mostrar candidato ao título de Moto2 já no meio da temporada, com o campeonato ainda em aberto. Como segunda opção, eles podem substituir o mais fraco dos quatro pilotos atuais deste ano. Este é um método popular de motivar os pilotos, colocando-os sob pressão para melhorar o desempenho. Mas essa estratégia pode funcionar ou falhar…

A terceira, e a mais provável, se os pilotos da KTM tiverem o desempenho esperado, há toda a chance de que outra fábrica os chames, especialmente os pilotos da Tech3, Miguel Oliveira ou (se ele for excepcionalmente bem) Iker Lecuona, como aconteceu na Yamaha e Suzuki este ano. Isso resolveria o problema da KTM.

Claro, pode haver alguns assentos disponíveis em 2021 em outras fábricas – na Honda,  por exemplo, por meio da LCR ou talvez na Petronas Yamaha, ou quem sabe na Aprilia – qualquer uma delas pode tentar afastar Jorge Martin da KTM.

Enfim, com base em sua primeira temporada na Moto2, Martin não deverá ter problemas para encontrar uma sela para ele no MotoGP em 2021.