Como vejo as equipes de fábrica no MotoGP. Sucesso ou fracasso?

Olá, cá estamos mais uma vez com nossas singelas opiniões a respeito dessa competição maravilhosa que tanto nos enchem os olhos, aqui vou explanar o pouco que vi até o momento a respeito das equipes de fábrica, vamos lá!

Aprilia – Mais do mesmo, ainda em 2018 contrataram uma “mente brilhante” vindo da F1 para inovar, mas nada de surtir efeitos na prática. Aleix continua sendo aquele cara que tira leite de pedra. Iannone anda mais desorientado que cego no tiroteio em alguns momentos chegou a criticar o desenvolvimento da moto dizendo que o Aleix seguia um caminho errado. Que desenvolvimento? Aleix em uma outra oportunidade disse que a moto usa como base um chassi de 2017, vale ressaltar que em 2018 a equipe correu boa parte da temporada com o motor de 2017, o motor 2018 chegou para lá da metade da temporada. Já disse em outra oportunidade que a Aprilia só está no MotoGP para fins de marketing, mas o tiro não acertou o alvo e sequer conseguem o básico que é entrar no TOP10.

KTM – Desde Austin estamos assistindo a equipe austríaca dando lindos passos, em algumas etapas conseguindo acesso direto ao Q2 sem precisar passar pelo Q1. Nas últimas duas etapas o time laranja tem encontrado problemas com os pneus, sobreaquecimento propriamente dito. Pol abandonou o FP4 na Catalunya por conta desse problema. Ainda no teste coletivo na terça após a corrida Pol testou inúmeras peças e dentre elas um novo chassi, que de forma resumida foi explicado que tornou a moto menos física e com a dianteira melhor, mas em compensação perderam um pouco da capacidade de frenagem. Se o intuito é fazer uma M1(Yamaha) estão no caminho certo. Rsrsrs No teste de terça após a corrida vimos Dani no primeiro teste oficial pela KTM, Pit Beirer diz que os feedbacks do Samurai de Borracha são incríveis. Fora tudo isso estamos presenciando uma crise interna na equipe com o Zarco, crise essa abafada com panos quentes e cobertas grossas.

Suzuki – A equipe até então vem fazendo uma campanha incrível com Rins, o grande problema que precisa de solução rápida é o qualificatório, não é todo domingo que dá para encarnar o “Leão”.  O novato Joan Mir até então vinha falhando bastante enquanto Rins brilhava, talvez por conta da sua adaptação, no GP da Catalunya parece que “encontrou algo”, mas é bom começar a mostrar serviço porque a cada dia que passa a sua vaga começa a ficar muito cobiçada, muitos pilotos já enxergam que a Suzuki possui um ótimo equipamento com grandes chances de vencer etapas. Os padrões estão aumentando, estreantes como Zarco e Quartararo nada mais são  do que o Marc foi em 2013, ou seja, não há mais espaço para choro, ou anda ou fica a pé.

Ducati – Espero sinceramente que depois do ocorrido trágico em Barcelona os pilotos dessa equipe comecem a digladiar internamente. Não há mais espaço para um “ajudar” o outro, Marc abriu uma carreta de vantagem na classificação do campeonato. Esse negócio de companheiro de equipe amigo do outro é balela, tem que ser como Rossi e Lorenzo, Piquet e Mansell, Senna e Prost, o resto é mimimi. Inclusive cravei que Dovi seria campeão em 2019, a hora para largar de ser um frouxo é agora!

Yamaha – Lamentável ver todos os engenheiros de uma equipe de fábrica indo aos boxes da equipe satélite ver o que o piloto prodígio consegue fazer de diferente diante dos pilotos oficiais. Já foi declarado que essa temporada será apenas um passeio, uma vez que a equipe trabalha na moto 2020 há meses, para eu isso é atestado de falência, pelo menos até o momento…

Honda – Marc tem em mãos a moto perfeita para sua pilotagem, é o homem a ser batido. Lorenzo na Catalunya parece que encontrou a velocidade, um certo conforto, tanto que conseguiu colar no pelotão da frente, resta saber se iria continuar por muito tempo lá na frente caso o trágico ocorrido nao tivesse acontecido. Aquilo lembrou ele em Jerez pela Ducati em 2018, andando na frente como uma “vaca louco”, coincidentemente na mesma ocasião acabou abandonando após um acidente. Não duvido que Lorenzo consiga avanços, mas bater MM na “sua moto” é uma missão quase impossível. Vamos ver o que acontece.