Ducati: lacunas nas regras técnicas são feitas para explorar

Hoje representantes da Aprilia, KTM, Honda e Suzuki apresentaram protestos contra as peças aerodinâmicas da Ducati, em particular o novo braço traseiro traseiro suspeito de arrefecer o pneu traseiro da GP19 (foto acima), na sequência do resultado da estreia da temporada de 2019 no Qatar, que foi vencida pelo Andrea da Ducati Dovizioso.

Aprilia vs. Ducati: “Eles contornaram as regras”. Massimo Rivola (acima) explica a gênese da queixa: “Eu avisei a Dall’Igna que se eles usassem a ‘colher’ nós iríamos agir”.(gpone.com/it/2019/03/11)

As regras especificam que um dispositivo pode ser anexado à parte inferior da carenagem para dispersar a água, mas somente se a moto estiver equipada com pelo menos um pneu de chuva. Suspeita-se que a Ducati viu o dispersor de chuva da Yamaha e se inspirou.
Acima o difusor de chuva da Yamaha M1, em Valência, 2018. É por isso que eles não se juntaram à queixa contra a Ducati hoje. Muito semelhante, mas não para o mesmo uso.

A segunda cláusula do regulamento técnico das regras diz: “Providing that the following regulations are complied with, the constructors are free to be innovative with regard to design, material and overall construction of the motorcycle”. Traduzindo: “Desde que os seguintes regulamentos da aerodinâmica sejam cumpridos, os construtores estão livres para serem inovadores no que diz respeito ao design, material e construção geral da motocicleta”.

Acima está o desenho incluído na página 232 das regras da FIM MotoGP, definindo quais partes da moto são oficialmente o “corpo Aero”. Compare e contraste onde a Ducati ligou as peças extras.

O que os responsáveis pelas regras esqueceram  é que havia partes da moto ainda descobertas. A Ducati criou um par de capas de fibra de carbono curvadas que prendem à parte inferior dos garfos dianteiros e cobrem uma grande parte da roda da frente, até ao pneu. Eles também criaram um spoiler que fica na parte inferior do braço oscilante, em vez da carenagem. Ambas as partes contornam as regras, para o desgosto dos escrutinadores. A Ducati pode colocar e remover as peças sempre que quiser.

 

Para alguns as regras são claras. Se outras fábricas não conseguem ler as regras, isso é problema delas. A chave para qualquer livro de regras não é o que está escrito, e sim o que não está escrito. São essas lacunas que dão liberdade às fábricas para trazerem suas inovações.

O livro de regras classifica apenas a carenagem principal como o “corpo aerodinâmico. Os novos dispositivos ligados à Ducati não estão na carenagem principal, pelo que as queixas de outros fabricantes estão bem justificadas.

Conforme escrevi previamente no comentário de outra matéria: “Se as outras marcas reivindicaram contra a aerodinâmica da Ducati, deviam reclamar contra a direção técnica, não contra a Ducati, porque a Ducati não escondeu nada.

Muito boa a resposta de Márquez quando a ele foi perguntado como se sentia em quase ser proclamado um vencedor pelos protestos dos quatro times. “Eu faço o que posso e hoje perdi para outro piloto mais rápido que eu.”

Enfim, os comissários da FIM não têm provas suficientes para ditar uma resolução definitiva e será o Tribunal de Recursos da FIM que decidirá nos próximos dias. Espera-se que aconteça antes do GP da Argentina. Por enquanto Dovi fica com 25 pontos e segue a novela.