Jerez FP2: A alegria das Ducatis em um circuito pouco favorável.

Os 50 graus da temperatura da pista não pareceram muito convidativos para os pilotos ou para os Michelins. Marc Márquez continuou de onde parou – no topo da tabela de tempos, mas as Ducatis não lhe permitiram respirar muito com Danilo Petrucci meio décimo a mais na maior parte da sessão. Os tempos não caíram muito em comparação com a sessão da manhã até os pilotos utilizarem borracha macia nos últimos cinco minutos. Petrucci conseguiu bater o “benchmark” do FP1 a três minutos do final, mas a bandeira vermelha apareceu devido a acidentes na curva 5 envolvendo Karel Abraham e Bradley Smith.

Com a contagem regressiva reiniciando a 02:42 do final, os pilotos só conseguiram uma volta rápida para fazer diferença nas tabelas de tempos. Ninguém conseguiu mudar os quatro primeiros lugares. Petrucci mostrou o caminho para o companheiro de equipe Andrea Dovizioso, enquanto Cal Crutchlow se recuperou de um início lento para ficar em terceiro lugar com a sua Honda. Marquez fez o oposto de seus rivais, iniciando a sessão com borracha macia e terminando com pneus duros, mas o espanhol conseguiu segurar a quarta posição, a dois décimos da liderança.

Maverick Vinales aproveitou sua última volta rápida para subir para o quinto lugar depois de uma sessão decepcionante, com o colega Fabio Quartararo atrás dele por um décimo de segundo. O wildcard Stefan Bradl deixou a Honda orgulhosa com um impressionante sétimo lugar, à frente dos colegas Takaaki Nakagami e Jorge Lorenzo. Pecco Bagnaia completou o top 10, onde obteve melhor desempenho que o seu mestre no FP2. Valentino Rossi realizou mais uma fraca sessão ficando na 14ª posição. As coisas não pareciam muito mais brilhantes na Suzuki, com o vencedor do COTA, Alex Rins, ficando em 16º, um lugar à frente de Joan Mir, que terminou sua sexta-feira com uma estranha queda no cascalho.

Abaixo da tabela de tempos do FP2: