2019 será o último ano de Johann Zarco na KTM?

Eu não acho que os fãs (ou mesmo os jornalistas, que deveriam saber melhor) entendam o quão importante é o pacote completo – piloto, ciclística, equipe, técnico, parceiro de vida – para o sucesso de um piloto. Contudo, todos concordam que a Yamaha M1 é a melhor moto do MotoGP para quem chega à categoria rainha, assim como qualquer um que esteja pilotando uma delas tem um verdadeiro choque cultural quando anda numa moto diferente. O experiente Lorenzo é o melhor exemplo para ser citado.

Mas não se corrige quem se enforca; corrigem-se os demais com ele. Os gerentes de equipes estão aprendendo que não podem mais considerar os pilotos como blocos de Lego que se encaixam em algum lugar. Alguns estilos de pilotar e motos simplesmente não se afinam, assim como esperar a adaptação de um piloto não é garantia de sucesso lá na frente.

O que está feito não se desfaz, diz o aforismo, embora J. Zarco pareça não entender bem isso. Não é segredo para ninguém que o francês ficou irritado com a sua ida para a equipe de fábrica da KTM. Sua preferência era estar na experiente Repsol Honda. É consenso, no entanto, que a sua situação não estaria muito diferente da atual, considerando seu estilo de pilotar.

Zarco foi um dos maiores investimentos da KTM para levar a sua RC16 a um nível superior. Ele, que ocasionalmente deslumbrou o mundo do MotoGP com a sua Yamaha independente em 2017 e 2018, fez tudo nas últimas corridas, menos brilhar. A RC16 é 180 graus diferente da YZR-M1 que Zarco tanto amava – o francês gosta de usar uma técnica suave, enquanto a RC16 é mais um míssil point-and-shoot.

Para ter sucesso na KTM, Zarco sabe que terá que mudar seu estilo de pilotar. Mas ele não parece muito entusiasmado em construir um novo caminho, como Cal Crutchlow fez no passado ou como Lorenzo fez na Ducati. Ele acredita que desconstruir seu atual estilo poderá deixá-lo incapaz de manter-se competitivo.

Por outro lado, os dirigentes da KTM estão cobrando essa mudança, o que gerou uma queda de braço entre as partes. Com apenas 7 pontos no Campeonato e bastante frustrado, Zarco começou a perder o controle com os membros da equipe KTM. Após o FP1 na última sexta-feira, ele criticou duramente a moto classificando-a como um “chassis de merda” e uma “entrega de potência de merda”. Infelizmente a cena foi capturada por uma câmera de TV ao vivo e um microfone.

O CEO da KTM – Stefan Pierer quando abordado pela Speedweek.com rapidamente mostrou-se indignado pelo comportamento anormal do francês: “Uma grande decepção é o Johann. Isso realmente me machuca, porque nós o contratamos, então ele e Pol deveriam empurrar um ao outro. Mas é o oposto o que ocorre. Zarco se separou de seu empresário, você conhece essa história. Quando um atleta de alto nível não controla seu ambiente, você tem um problema”. Por outro lado o mandatário fez altos elogios à postura de Pol Espargaro e de Miguel de Oliveira.

Pierer terminou a entrevista dizendo que não é certo se Zarco estará com a KTM no ano que vem, e o frustrado piloto foi avisado dessa decisão. Esta é certamente a principal razão pela qual Zarco está contratando Jean-Michel Bayle – ele precisa de alguém para ensiná-lo a manter a calma, lidar com o estresse e conter suas emoções.

“Johann Zarco se expressou de maneira muito negativa em nosso ambiente”, disse o membro do conselho da KTM, Hubert Trunkenpolz. “Mas no sábado, em Jerez, ele recebeu uma mensagem muito clara da liderança de nossa equipe. Foi-lhe dito o que é possível e o que não é possível.” É de se perguntar o quão pesadamente as cláusulas de Zarco foram aplicadas em Jerez.

O MotoGP teve apenas quatro corridas até agora. Contudo, existe grande probabilidade de Zarco sair da KTM no próximo ano caso mantenha-se agressivo e fora de controle. E, para pensar: olhem para a diferença que havia entre Zarco e Quartararo em 2018 e hoje…