Miguel Oliveira: Quero ser o melhor piloto da KTM.

Miguel Oliveira, da Red Bull KTM Tech3, ofuscou Johann Zarco na Argentina. Mas o português não quer se deliciar neste tema. “Trabalhamos juntos como uma equipe na KTM”. Miguel Oliveira ficou apenas 0,176 dos dez primeiros colocados na sua segunda corrida de MotoGP.

Estar tão perto dos top10 está acontecendo mais cedo do que o esperado? Miguel Oliveira: “Difícil dizer. Eu não esperava nada… Tentamos descobrir nos testes de inverno, cujos resultados poderiam ser viáveis ​​no decorrer da temporada. É claro que também analisamos o box vizinho da Red Bull Factory Racing Team com Pol e Johann. Analisamos os resultados obtidos e os tempos de volta. De agora em diante, queremos continuar trabalhando dessa maneira. Eu quero ser o melhor piloto da KTM em breve. Isso seria quase o resultado perfeito do que estamos querendo”.

No Catar, durante sua estreia na categoria rainha Miguel Oliveira já havia lutado em 11º lugar, mas ele destruiu o pneu foi então ultrapassado por veteranos como Iannone e Zarco e teve que se contentar com a 17ª posição. “Escolhemos na Argentina a opção de pneu médio, que foi a escolha certa para as 25 voltas”, disse Miguel. “Claro que com o pneu macio eu poderia ter ido mais rápido, mas decidimos pela constância e segurança que o médio proporciona. Isso valeu a pena nas últimas voltas da corrida. Não faço ideia do que teria acontecido com o pneu traseiro macio… Boa parte dos demais pilotos do gride optaram pelo pneu macio na traseira”.

Aditivo: Apenas Zarco, Quartararo, Morbidelli, Crutchlow, Pol Espargaró, Rossi, Syahrin e Oliveira andaram o pneu médio para trás.

O estreante Oliveira terminou 8 segundos à frente do piloto da equipe de fábrica Zarco. Mas o português esperto não quer espalhar este assunto.

Oliveira: “Eu considero a equipe da KTM como um grupo comum. Somos duas equipes, mas estamos trabalhando juntas para melhorar a moto. É claro que é sempre bom poder comparar o seu desempenho como piloto. Mas também sei que nenhum piloto pode fazer grandes performances se a moto não se adequar ao seu estilo de pilotagem e se ele não se sentir confortável com a moto. Eu consegui essa posição porque aproveitei o máximo do meu material. Eu não posso ficar desapontado com meu desempenho no momento porque estou no meu primeiro ano no MotoGP e não tenho experiência com outras marcas nesta classe. Isso é uma vantagem para mim”.

Matéria originalmente traduzida do site SpeedWeek.com

Leia também: RAPIDINHAS, principais declarações dos piloto após o GP da Argentina.