Pit Beirer: Éramos injustos com Pol Espargaró

Na KTM gerida pelas mãos de Pit Beirer, dizemos o que pensamos, pensamos o que dizemos, mas também concordamos que só há tolos que não mudam de opinião… Uma atmosfera especial para esta fabricante onde, em outros lugares, gostamos dos lançamentos bem divulgados, das posturas consensuais, da roupas suja sendo limpa dentro de casa, de preferência longe dos microfones e das câmeras. Em Mattighofen, ficou claro que a contratação de Johann Zarco e Dani Pedrosa, assim como a chegada da equipe Tech3 como satélite, iniciaria uma nova era. Empurrando para as sombras um Pol Espargaró finalmente limitado em sua contribuição para o projeto RC16. No entanto, após a offseason e o primeiro Grande Prémio no Qatar, o oposto ocorreu.

No MotoGP a pista faz justiça e o tempo da o seu veredito. O diretor da KTM Motorsport, Pit Beirer, entende que antes de embarcar para o GP na Argentina, que marcará o segundo Grande Prémio desta temporada, deve felicitar o talento e entusiasmo de Pol Espargaró após a 12ª colocação no Qatar. Com essa menção que não é insignificante: “em 2018, às vezes machucamos ele”.

A equipe Red Bull KTM Factory não marcou um único ponto no Qatar, nos últimos dois anos. Em 10 de março, Pol Espargaróganhou quatro pontos pelo 12º lugar. Johann Zarco , novo recruta, foi premiado com o 15º lugar. A diferença entre Espargaró e o vencedor foi bastante pequena, cerca de 12.774 segundos após 22 voltas.

Pol Espargaró tinha apenas alcançado o 16º lugar apesar dos tempos brilhantes de treinos livres. Durante a qualificação e ele claramente perdeu a entrada no Q2. Mas Pit Beirer , diretor esportivo da KTM Factory Racing, não cobra desta vez seu piloto espanhol: “Estou feliz com a nossa atuação em Losail e estou começando a pensar que talvez tenhamos sido um pouco injusto com Pol na temporada passada. Porque a nossa moto não foi certamente fácil. E ele não estava fisicamente apto em muitas corridas”.

Ele continua: “Agora Pol teve um inverno normal sem lesão, ele está bem preparado fisicamente, ele não tem dor e então ele passa para um nível diferente. Aproveitei para ver como fizemos o Grande Prêmio do Qatar no ano passado. Naquela época, fomos brutalmente vencidos e estávamos no final da classificação com 2,6 segundos de diferença. Em 2017, a KTM também fez sua estréia nas duas últimas posições do gride em Doha, com atrasos de 2,8 e 2,9 segundos  .

Desta vez, estávamos a dois décimos no FP3. Infelizmente, no Qatar, nossa moto teve um desempenho melhor à luz do dia e no calor do que à noite quando as temperaturas esfriaram. Nós tivemos que lutar muito com o acerto. Mas o fato é que nos aproximamos das demais equipes de topo em comparação ao ano passado.”

Ao Speedweek ele continua: “Pol Espargaró está indo muito bem. Ele vem sempre lutando com menos aderência do que seus oponentes, e faz isso muito bem. Ajuda a nossa moto e explora plenamente os pontos fortes da KTM”.
____________________

Matéria originalmente traduzida do site Paddock GP

Opinião pessoal:

Ao renovar com Pol Espargaró , o chefe desportivo da KTM parece estar falando com outra pessoa, outro piloto… Talvez entendeu que o melhor piloto de todo o grupo no MotoGP continua sendo o espanhol.

A grande aposta no piloto francês, Zarco, não supriu as expectativas no primeiro contato, talvez esperavam algo como ele fez na estreia pela tech3, mas a pancada é segura quando pilotos largam a dócil e fácil M1 para andar em qualquer outra equipe. Rossi sofreu com a Ducati, Lorenzo também, então imaginem só um piloto saindo do equipamento Yamaha e indo montar numa equipe recém chegada na categoria…

Continuo achando que Miguel Oliveira continuará crescendo e passará facilmente o piloto oficial francês no decorrer da temporada. O português tem mais intimidade com a filosofia da equipe e seu chassi tubular.