Poncharal: Zarco achou que seria fácil bater Pol Espargaró.

Dez pontos em três corridas e o melhor resultado até o momento é uma décima terceira colocação, sendo forçado a ver Quartararo tomar todo o protagonismo dentro de “casa”, e ainda engolir a apresentação altamente elogiada do seu companheiro de equipe, é… a vida do Zarco não anda nada fácil.

“O que posso dizer? Sou apenas um espectador nessa história”, palavras de Poncharal, o homem da Tech3 e quem trouxe Zarco ao circo da categoria principal.

“Passamos dois anos fantásticos juntos, como todo mundo eu também achava que Zarco se aproximaria fácil dos resultados do Pol, que eles iriam fazer grandes duelos internos, eu não imaginava essa situação”.

O que poderia ser a causa dessa situação do Zarco?

“Pol tem dois anos de experiência na KTM, que é um conceito totalmente inverso da Yamaha. Mas confesso que não esperava ver o Miguel melhor do que o Syahrin, que tem um ano de experiência no MotoGP”.

Você é muito político, Stefan Pierer é mais direto, ele parece estar incomodado com o Zarco.

“Stefan é a razão pela qual deixei a Yamaha, uma pessoa com ‘bolas’, com ambição, ele quer chegar o mais rápido possível ao pelotão da frente”.

É por isso que ele está pressionando o Zarco?

“Ambos compartilham o mesmo personagem, Johann também queria estar lá na frente, quer bater os rivais e outras equipes.

Ele não está conseguindo fazer isso embora…

“No ano passado ele conseguiu pódios e pole positions, agora está em uma situação que não esperava. Ele achou que seria fácil bater Pol, mas esse não é o caso. Além disso, Quartararo tomou o seu lugar de destaque e isso pode ser difícil de aceitar, o ego acaba desempenhando o seu papel”.

Como ele pode sair dessa situação?

“Todos os pilotos querem fazer parte de equipe de fábrica com os departamentos trabalhando para eles, é algo como ter roupas sob medida. Mas com as motos isso significa não apenas encontrar a configuração perfeita, mas mostrar aos engenheiros o caminho que deve ser seguido. Para Zarco tudo isso é novo”.

A RC16 ainda não está em um bom nível competitivo, o fato da KTM competir em todas as três classes não é um compromisso grande demais?

“Só posso dizer isto: já estive no departamento de corridas da Suzuki, Yamaha e Honda, mas nunca vi nada parecido com o que a KTM tem, é incrível! Até os técnicos de outras equipes estão surpresos. Quando precisamos de algo eles nos dão. No moto2 estamos lutando e já tínhamos um novo chassi em Le Mans, sendo que era apenas a quinta corrida da temporada. Corrida é o DNA da KTM”.

Uma questão final, estão falando sobre uma possível troca entre Binder e Syahrin ainda nessa temporada, é verdade?

“Voce me conhece, quando eu aperto mãos eu dou minha palavra, eu não mudo de idéia. Estou desapontado com o Syahrin, e ele também está com essa situação, mas essa troca não faz sentido algum”.

Alex Márquez na Pramac e Jack Miller na Aprilia, pode acontecer?

Matéria originalmente traduzida do site GPone.