Primeiras Impress√Ķes de Lorenzo sobre a Ducati

Com a chegada do Ano Novo Jorge Lorenzo n√£o est√° mais sujeito ao sil√™ncio imposto pelo contrato com a Yamaha, ent√£o, come√ßam a circular na web informa√ß√Ķes sobre seus primeiros sentimentos ap√≥s os testes em Val√™ncia, em meados de novembro, com a Desmosedici.

Parece que os aspectos positivos dizem respeito √† estabilidade da Ducati durante a frenagem, e sua eletr√īnica superiores at√© mesmo a da Yamaha.

Os pontos negativos não são nenhuma surpresa , como para todos os outros motoristas que pilotam uma Ducati, o calcanhar de Aquiles é a dirigibilidade nas curvas.
Ao retornar aos boxes durante o segundo dia de testes, Lorenzo disse a Dall’Igna:

¬†N√£o, com esta moto n√£o √© poss√≠vel girar abaixo de¬†1’29” … aqui .

A pilotagem de Jorge é diferente dos outros outros pilotos do MotoGP, ele começa a acelerar nas curvas antecipadamente e gradualmente, um processo extremamente medido e eficiente..

 

Para¬†fazer isso, ele precisa basicamente de duas coisas: um pneu traseiro que d√° confian√ßa para o √Ęngulo m√°ximo e uma resposta de acelera√ß√£o suave a fim de n√£o desgastar os¬†pneus.

 




Assim, o trabalho de inverno na Ducati entrou nesta direção: eliminar ou reduzir a subviragem e melhorar a entrega da Desmosedici mais é mais fácil dizer do que fazer  .
Enquanto isso, disse o piloto maiorquino recentemente:

 

Eu sabia que tinha que ser veloz na Ducati, independentemente do que eu descobri eu sabia que tinha de fazê-lo rápido, mas não sabia como, mas eu também sabia que eu seria relativamente rápido e fui.
Eu estava convencido de que eu preciso mudar meu estilo, apesar de ter que montar uma Ducati, eu n√£o vou mudar. Eu vou mudar e evoluir alguns pequenos detalhes, mas a moto n√£o vai mudar o meu estilo.