Todo mundo inveja Marc Márquez?

Marc Márquez venceu quatro dos últimos cinco títulos de MotoGP, e, o mais interessante, ele venceu todos os campeonatos desde a introdução dos pneus Michelin e do software comum (2016-2017-2018). Agora o piloto de 25 anos é o favorito para ganhar a temporada 2019 – sem o abraço carinhoso da central eletrônica única, quando terá que usar o seu próprio talento. Outra vez, diante de milhares de italianos, o espanhol de 25 anos espera ser vaiado pelos torcedores de Valentino Rossi. Ele também espera, tenha certeza, vencer.

O grande ponto positivo de Marc é que ele nunca desiste”, diz Santi Hernández, braço direito de Márquez. Algumas de suas ultrapassagens são próximas e agressivas – tal como se espera de uma prova de MotoGP. “Marc gosta de ter muita confiança na frente porque usa muito o pneu dianteiro. Ele também está trabalhando em seu estilo de pilotar para ajudar nisso. A maioria dos pilotos sempre quer mais potência e mais aderência traseira, mas Marc realmente precisa da frente”, complementa o chefe de equipe.

Mas Marc Márquez não é imbatível: Jorge Lorenzo, Andrea Dovisioso, Valentino Rossi e outros já provaram isso. Só que agora ele está tão invencível quanto possível. Contudo, na sua ânsia de ganhar ele comete erros, o que gera mágoa e rancor por parte dos pilotos. “Saber dominar-se, eis o segredo.” Marc disse várias vezes que está preparado para aprender com seus erros, mas não vai mudar o seu jeito de pilotar, que para alguns especialistas ainda não atingiu o seu ápice.

Pol Spargaró, da equipe KTM, quando questionado sobre Marc Márquez em 2019 declarou: “Eu invejo muito os tempos que o Márquez faz, quão bem ele pilota sua moto, e a facilidade com que ele consegue tudo na Honda”.

Já Scott Redding, ex-piloto da Aprilia, foi mais contundente e agressivo em uma entrevista recente para o site “Crash”: “A diferença entre Márquez e eu é o dinheiro”. Quando comparado com Márquez, Redding garante que a organização das corridas espanholas e, acima de tudo, “o dinheiro” foram os fatores que “marcaram as diferenças”. Na MotoGP, Márquez tem toda uma estrutura atrás dele que Redding considera a chave para seu sucesso. “Marc tem seu próprio time na Repsol. Ele teve a Red Bull e a Repsol apoiando-o toda a sua vida. Ele tinha seu próprio time de Moto2. Você não pode competir contra isso”, explica ele. “Quando eu estava na Marc VDS, eu acho que estávamos no mesmo nível”, acrescenta.

“Um remo é reto, e no entanto quando mergulha na água parece curvo. Não basta ver a coisa, importa como vê-la.” A psiquê de Marc, em contraste com a de outros pilotos, é como uma fortaleza, e sua vontade é como uma “tropa de elite” com homens ridiculamente corajosos que saem em frente, atirando em qualquer um que se aproxime com atitude suspeita. E, detalhe – é amado por seus súditos.

O estilo agressivo de Marc deve ser controlado pelos organizadores?

Uns temem que a demarcação sobre Márquez tirará grande parte da empolgação das corridas. Outros, como alguns leitores do Blog, acreditam que já é hora de Márquez reinar, especialmente porque é evidente que o piloto de fábrica da Honda se estabeleceu como o mais rápido no campo atual e não tem necessidade de fazer barganhas. Márquez acrescentou agora ao seu repertório a fantástica capacidade de poupar os pneus para as últimas voltas, o que é sinônimo de mais vitórias.

Na MotoGP, o campeão muitas vezes ganha 40% ou mais das corridas numa única temporada, mas nunca houve um piloto com uma média de vitórias de 40% ao longo de toda uma carreira na Era Moderna da categoria rainha. O Cinco vezes Campeão do Mundo de 500cc, Mick Doohan chegou perto, mas precisaria de mais duas vitórias para atingir a barreira de 0,400. E estamos falando de médias na carreira e não de registros de temporada única. Márquez parece ser o único piloto ativo que tem a chance real de manter uma porcentagem tão alta de vitórias na carreira. Muitos vão dizer que agora a MotoGP tem muito mais provas que na época de Doohan, é verdade, mas isso não desmerece o talento do espanhol.

” A pele do leão não basta, cumpre juntar um pedaço da pele de raposa.” Pilotos espanhóis dominam a MotoGP faz um bom tempo, vencendo todos, exceto um dos últimos oito títulos mundiais de MotoGP. Márquez tem agora Lorenzo como seu novo companheiro de equipe. E não há outro companheiro de equipe mais forte mentalmente na MotoGP. Ambos sobreviveram ao rei dos jogos mentais – Valentino Rossi. Ambos o derrotaram em sua própria arena. E agora essas duas fortalezas encontram-se juntas. Na teoria, Márquez terá vantagem sobre Lorenzo em 2019, porque ele já teve seis anos para entender a RC213V, enquanto Lorenzo terá que adequar seu estilo de pilotar, como fez na Ducati.

Enfim, não sabemos quem vai ganhar. Tudo o que sabemos é que será épico assistir no sofá, na arquibancada, na rua ou em qualquer outro lugar. Pipocas, por favor!