Troca de farpas na Aprilia movimenta os bastidores do MotoGP.

A Aprilia viaja com sua dupla de pilotos para a corrida caseira em Mugello. Depois de 5 corridas Aleix acumulou 22 pontos enquanto Iannone apenas 6. Apesar de ainda no começo parece que o “casamento” entre os dois pilotos já ficou um pouco estremecido.

“Eu não quero pegar os métodos de trabalho do Aleix, não é produtivo”, diz Iannone, “Quero me adaptar ao equipamento da Aprilia do jeito certo. Aleix tem corrido com essa moto há três anos e se adaptou aos seus problemas. Eu prefiro dirigir devagar e entender como a moto deve se comportar na corrida. Estamos progredindo com o tempo e os resultados são satisfatórios”.

“Aleix notou muitas coisas quando começou a observar eu guiando, percebendo que seu método nunca iria permitir a moto ser desenvolvida da maneira correta para chegar ao pódio. Estou dando um tempo para a Aprilia reagir aos meus feedbacks, é necessário ter paciência. Estou relaxado porque optei por desenvolver uma moto competitiva e não apenas olhar para o desempenho”.

Não é novidade para ninguém que a Aprilia tem sofrido com problemas de aderência, aceleração e potencia em retas, ou seja, sofrendo com tudo, e o motivo talvez vinha sendo a má gestão, tanto que a equipe vem passando por uma reformulação em vários setores. Relembre que a equipe em 2018 recebeu uma nova versão de motor com o campeonato em andamento, fizeram toda a pré-temporada com um motor velho e no decorrer da temporada fizeram trabalho de formiguinha para colher dados.

Aleix Espargaró reconhece que Iannone está procurando maneiras de conduzir a Aprilia, trouxe informações e experiência com a Suzuki e Ducati, mas não perdeu a oportunidade de também cutucar de volta: “Não estou dizendo que ele não trabalha para desenvolver a moto, mas se eu reduzir o controle de tração consequentemente serei mais rápido, porém os pneus vão acabar mais rápidos”.

“Na RS-GP optei por ter um controle de tração mais forte, reconheço que não é o jeito correto de guiar no MotoGP, sei que não é a solução, mas não posso fazer nada porque estou no meu limite”, diz Aleix.

_

OPINIÃO PESSOAL: O que eu entendi é que Iannone vem em decadência na sua carreira, estava na Ducati em ascensão e pulou para uma Suzuki que apesar da temporada 2017 fraca mostrou forte no ano seguinte. Até compreendo o fato do Aleix ter se acostumado com os defeitos da moto, Aprilia de longe é a pior equipe de fábrica na categoria, agora ver o Iannone criticando outros pilotos e falando de desenvolvimento de motos é um tanto engraçado, lembrando que Iannone tinha fama de copiar o acerto da moto do Dovizioso quando estava na Ducati.

Pra mim esse daí é um piloto que já devia ter dado adeus ao mundial, vez ou outra consegue ser rápido, mas todo mundo sabe porque a Suzuki não renovou com ele, é um piloto descompromissado. Nunca esquecerei de uma que ele aprontou na pré-temporada de 2018 quando foi para uma noitada com a namorada e perdeu um dia de testes ao amanhecer com “dor de barriga”. Enfim, é isso, bobo é quem compra idéia do Iannone. Ah… já ia esquecendo, longe de querer defender o Aleix, mas pelo menos o cara é esforçado e dedicado, problema é da Aprilia que não cria vergonha na cara.